É possível respirar ar puro em uma grande metrópole

Uma mensagem na garrafa

Com seu “toka trekko” na mochila, o engenheiro florestal Bo Stridsberg desperta a atenção dos curitibanos para a ecologia

É possível respirar ar puro em uma grande metrópole. Basta que todos cultivem mais plantas, tanto em espaços públicos como em casa e no trabalho. Em síntese, eis a principal mensagem disseminada pelo engenheiro florestal Bo Stridsberg, de 66 anos.

Este sueco, morador de Curitiba há mais de uma década, pode ser visto pelas ruas da cidade carregando uma “fazenda portátil” na mo­­chila. Assim ele se refere ao “toka trekko”, sua miniestufa desenvolvida com garrafas PET, e que abriga normalmente uma muda de palmeira.

Com esse invento nas costas, ele desperta a atenção das pessoas e apro­­veita para puxar papo sobre ecologia urbana. “O toka trekko já está na internet. Mas como muitos ainda não têm acesso à rede, essa é a melhor maneira de divulgá-lo”, explica. “As pessoas sempre querem saber o que eu tenho na garrafa.”

Para o engenheiro florestal, o hábito de cultivar diversos tipos de vegetação precisa ser estimulado urgentemente, pois é uma forma barata de se melhorar a qualidade do ar, pelo menos em espaços fechados.

Por mais que a atmosfera de uma cidade esteja com ar impróprio, se em uma sala houver no mínimo quatro palmeiras (Dypsis lutescens) e oito espadas-de-são-jorge (Sansevieria trifasciata) para cada pessoa, o ar ali dentro será limpo. Tais plantas, além de serem fáceis de cuidar, são grandes produtoras de oxigênio, afirma o sueco, citando estudos desenvolvidos pela Nasa e pelo Instituto de Tecno­logia da Índia.

Política verde

A agricultura urbana é uma prá­­­tica simples que Bo Strids­­berg recomenda a todos os cidadãos. “Não preciso ser médico para constatar que muitas crianças na cidade sofrem com falta de vitaminas”, diz ele, lembrando que pequenas hortas domésticas ajudariam a melhorar o cardápio de todos, principalmente das pessoas mais carentes.

O engenheiro florestal conta que, na década de 1990, começou a desenvolver um trabalho na Vila das Torres, estimulando os moradores a plantar legumes e verduras em tambores com terra. Aban­donou o projeto, porém, quando percebeu que a ação estava sendo usada para promover o nome de políticos. “Infelizmente o Brasil tem pragas que não existem na Suécia: dengue, malária e vereador”, resume assim a história.

Um matagal como lar

Diferente da esposa Mônica, que é astróloga, Bo Stridsberg não se considera um sujeito supersticioso. Por isso não foi para afastar mau-olhado que ele convenceu a mulher a deixar dezenas de espadas-de-são-jorge em volta da cama do ca­­sal. Bo explica que, à noite, essa folhagem libera oxigênio (enquanto a maioria das plantas libera gás carbônico nessa hora), trazendo um ar puro ao quarto de dormir.

Do lado de fora de sua pe­­quena casa, Bo também mostra como é possível ocupar os espaços livres com a vegetação. Ele dispôs uma centena de vasos e toka trekkos com as mais variadas plantas (comestíveis e ornamentais) até pelos muros do seu terreno. “Um bom lugar para se viver é aquele que se parece com um matagal”, garante.

http://www.gazetadopovo.com.br

23.09.2009
Uma mensagem na garrafaCom seu “toka trekko” na mochila, o engenheiro florestal BoStridsberg desperta a atenção dos curitibanos para a ecologiaÉ possível respirar ar puro em uma grande metrópole. Basta quetodos cultivem mais plantas, tanto em espaços públicos como emcasa e no trabalho. Em síntese, eis a principal mensagem

disseminada pelo engenheiro florestal Bo Stridsberg, de 66 anos.

Este sueco, morador de Curitiba há mais de uma década, pode ser

visto pelas ruas da cidade carregando uma “fazenda portátil” na

mo­­chila. Assim ele se refere ao “toka trekko”, sua miniestufa

desenvolvida com garrafas PET, e que abriga normalmente uma muda

de palmeira.

Com esse invento nas costas, ele desperta a atenção das pessoas e

apro­­veita para puxar papo sobre ecologia urbana. “O toka trekko

já está na internet. Mas como muitos ainda não têm acesso à rede,

essa é a melhor maneira de divulgá-lo”, explica. “As pessoas

sempre querem saber o que eu tenho na garrafa.”

Para o engenheiro florestal, o hábito de cultivar diversos tipos

de vegetação precisa ser estimulado urgentemente, pois é uma

forma barata de se melhorar a qualidade do ar, pelo menos em

espaços fechados.

Por mais que a atmosfera de uma cidade esteja com ar impróprio,

se em uma sala houver no mínimo quatro palmeiras (Dypsis

lutescens) e oito espadas-de-são-jorge (Sansevieria trifasciata)

para cada pessoa, o ar ali dentro será limpo. Tais plantas, além

de serem fáceis de cuidar, são grandes produtoras de oxigênio,

afirma o sueco, citando estudos desenvolvidos pela Nasa e pelo

Instituto de Tecno­logia da Índia.

Política verde

A agricultura urbana é uma prá­­­tica simples que Bo Strids­­berg

recomenda a todos os cidadãos. “Não preciso ser médico para

constatar que muitas crianças na cidade sofrem com falta de

vitaminas”, diz ele, lembrando que pequenas hortas domésticas

ajudariam a melhorar o cardápio de todos, principalmente das

pessoas mais carentes.

O engenheiro florestal conta que, na década de 1990, começou a

desenvolver um trabalho na Vila das Torres, estimulando os

moradores a plantar legumes e verduras em tambores com terra.

Aban­donou o projeto, porém, quando percebeu que a ação estava

sendo usada para promover o nome de políticos. “Infelizmente o

Brasil tem pragas que não existem na Suécia: dengue, malária e

vereador”, resume assim a história.

Um matagal como lar

Diferente da esposa Mônica, que é astróloga, Bo Stridsberg não se

considera um sujeito supersticioso. Por isso não foi para afastar

mau-olhado que ele convenceu a mulher a deixar dezenas de

espadas-de-são-jorge em volta da cama do ca­­sal. Bo explica que,

à noite, essa folhagem libera oxigênio (enquanto a maioria das

plantas libera gás carbônico nessa hora), trazendo um ar puro ao

quarto de dormir.

Do lado de fora de sua pe­­quena casa, Bo também mostra como é

possível ocupar os espaços livres com a vegetação. Ele dispôs uma

centena de vasos e toka trekkos com as mais variadas plantas

(comestíveis e ornamentais) até pelos muros do seu terreno. “Um

bom lugar para se viver é aquele que se parece com um matagal”,

garante.

http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1

&id=926933&tit=Uma-mensagem-na-garrafa

log_pir_47

.

 Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.

eu_47 Seja amigo do autor do site no Facebook, e esteja sempre antenado em assuntos interessantes como este.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: