A Privataria Tucana

A Privataria Tucana, Amaury Ribeiro Junior, Editora Brasil Geração Editorial, 2011, 344 páginas, ISBN 978-85-61501-98-3.

A Privataria Tucana (download AQUI) é um livro de autoria do jornalista brasileiro Amaury Ribeiro Jr.[1] resultante de 12 anos de investigação jornalística sobre a chamada “Era das Privatizações“, ocorrida no governo Fernando Henrique Cardoso (FHC), sob o comando do então Ministro do Planejamento José Serra, ex-governador do Estado de São Paulo. A expressão que deu origem ao título do livro,“privataria”, foi criada pelo jornalista Elio Gaspari, referindo-se à suposta nebulosidade que envolvia as operações de privatização e ligando ao termo pirataria. Ribeiro Jr resolveu utilizá-la pela adequação aos atos que qualificou como pirataria, que teriam sido praticados ao longo do processo de privatizações, envolvendo dinheiro público, em benefício de fortunas pessoais e realizadas por meio das chamadas “offshores”, empresas de fachada que operam em Paraísos Fiscais no Caribe.[2][3]

Índice

Sinopse

O livro aponta o modus operandi de um suposto esquema de corrupção montado no governo de Fernando Henrique Cardoso por ocasião das privatizações. O livro é uma reportagem investigativa de 200 páginas de texto, apoiada em mais de 140 páginas de facsimile de documentos comprobatórios, todos oficiais, solicitados por ele em juntas comerciais, cartórios, no Ministério Público e na Justiça, autenticados e com firma reconhecida.

O autor do livro descreve, passo a passo, a trajetória que o dinheiro ilícito faz, das empresas offshores a empresas de fachadas no Brasil e comprova, apresentando documentos, que foram praticados negócios financeiros vultosos envolvendo grandes corporações financeiras, durante o processo das privatizações. O jornalista autor do livro acusa o envolvimento e a conivência de parte dos meios de comunicação, crimes de corrupção ativa e passiva, favorecimento ilegal, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, enriquecimento ilícito, invasão de privacidade, vazamento de dados tributários, tudo associado ao desvio de dezenas de bilhões de dólares dos cofres públicos.[4]A trajetória do dinheiro ilícito ao voltar ao Brasil, segundo os documentos apresentados no livro, é inserido nas fortunas pessoais do grupo ligado a Serra[5].

O autor revela que iniciou as investigações sobre lavagem de dinheiro quando fazia uma reportagem sobre o narcotráfico, a serviço do Correio Braziliense (CB). Depois de sofrer um atentado, foi transferido para o jornal O Estado de Minas, do mesmo grupo do CB, e lá incumbido de investigar uma suposta rede de espionagem mantida por José Serra.[6] Era o primeiro passo para a investigação sobre o esquema de desvio de verbas públicas e de lavagem de dinheiro denunciados no livro.

Os documentos apresentados no livro demonstram como teria funcionado o suposto esquema de propinas e de lavagem de dinheiro durante as privatizações. Através do envio do dinheiro para empresas offshores no paraíso fiscal nas Ilhas Virgens, o dinheiro retornava ao Brasil, “lavado” como “investimento estrangeiro”. O autor apurou, partindo de pistas deixadas pelo dinheiro, que eram os mesmos nomes que assinavam os dois lados da operação: como procurador da offshore do Caribe que “investia” no Brasil e como dono da empresa brasileira receptora do suposto investimento estrangeiro. O esquema envolveria nomes como Ricardo Sérgio de Oliveira (ex-tesoureiro das campanhas de FHC e José Serra do PSDB, descrito por Amaury Ribeiro Jr. na página 38 como “o chefe da lavanderia do tucanato”), Carlos Jereissati, José Serra, sua filha Verônica Serra e o marido, Alexandre Bourgeois, além de empresas como a Oi (na época Telemar), IConexa, Citco Building, Andover, Westschester, Decidir.com, Inc da filha de Serra em sociedade com Verônica Dantas, irmã do banqueiro Daniel Dantas, dentre outros. Para se demonstrar o montante de dinheiro envolvido nestas supostas transações, entre 1998 e 2002, Gregório Preciado, marido de uma prima de José Serra, teria depositado 2,5 bilhões de dólares na conta de Ricardo Sérgio de Oliveira[7]. Este modus operandi de lavagem de dinheiro também teria sido utilizado por Paulo Maluf, Ricardo Teixeira[8], a quadrilha da advogada Jorgina de Freitas que fraudou a previdência em R$1 bilhão e Paulo Henrique Cardoso[9], filho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Ricardo Sergio [10], segundo o livro/reportagem, por ser um banqueiro de larga experiência, foi o arquiteto do esquema que inseria dinheiro de origem duvidosa no Brasil, lançando mão de empresas offshores nas ilhas Virgens Britânicas, conhecido paraíso fiscal. Os documentos, obtidos legalmente, demonstram que Alexandre Bourgeois, genro de José Serra, abriu duas empresas offshores, imediatamente após as privatizações: a Vex Capital e a IConexa Inc[11]. Era o mesmo endereço da Decidir – empresa de Verônica Dantas (irmã do banqueiro Daniel Dantas) e Verônica Serra (filha do ex-governador José Serra)[12].

O livro “A Privataria Tucana” conta ainda, na página 25, detalhes de como Serra, desde o seu período à frente do Ministério da Saúde, teria se utilizado do serviços de arapongas, pagos com dinheiro público, para criar dossiês contra adversários políticos[13]. E de como Verônica serra e a irmã do Daniel Dantas, Verônica Dantas, teriam quebrado o sigilo de aproximadamente 60 milhões de brasileiros pela obtenção de informações privilegiadas dentro do governo[14]. O grupo de Serra faria grande uso da tática da contra-inteligência, isto é, manobras diversionistas, antecipação e esvaziamento de possíveis denúncias, vitimização perante a opinião pública[15]. O livro também destaca como adversários políticos do mesmo partido praticaram guerras de espionagem e contra-espionagem entre si nos bastidores, tanto no PSDB (no caso, entre José Serra e Aécio Neves no capitulo 2) como no PT (entre Fernando Pimentel e Rui Falcão no capítulo 16).

Produção e publicação

A ideia do livro surgiu em 2009, quando Aécio e Serra disputavam acirradamente a indicação tucana para concorrer à presidência. O mineiro defendia prévias e o paulista se colocava como “o primeiro da fila”. O jornal Estado de S. Paulo, articulado com José Serra, publicou um texto intitulado “Pó pará, governador?” [16] que insinuava, já no título, que Aécio seria um cocainômano e que, portanto, não poderia sonhar com a presidência. Amaury já havia sido transferido para Belo Horizonte e foi incumbido pelo dono do jornal Estado de Minas, Álvaro Teixeira da Costa, de produzir reportagem em resposta a “São Paulo”.[17] Amaury sugeriu, então, que se investigassem as privatizações, pela fragilidade que as conexões com desvio de verbas públicas provocava em Serra. A investigação o levou a encontrar as contas usadas por Ricardo Sérgio, Alexandre Bourgeois e pela filha de Serra, Verônica Serra.[18]

Foi em ação judicial onde Amaury Ribeiro Junior era réu que ele obteve grande parte dos documentos constantes no livro. Uma reportagem na revista “Istoé”, na qual mencionava Ricardo Sergio, motivou o ex-caixa de campanha de Serra e FHC a entrar com o processo judicial contra o jornalista. Para se defender, o autor recorreu ao instrumento judicial, conhecido como “exceção da verdade”, que obrigou a entrega de documentos da CPI do Banestado a Amaury, fato que contribuiu muito para a investigação jornalística seguir a trilha do dinheiro das privatizações que comprovam as movimentações feitas entre os envolvidos.

O autor conta que o título inicial seria “No Porões da Privataria”; depois pensou em “Os Privatas do Caribe”, em alusão aos paraísos fiscais no Caribe, mas desistiu-se desse segundo para evitar confusão com o filme “Piratas do Caribe“. São 344 páginas, mais de 140 de documentos recolhidos no Brasil e Estados Unidos – muitos originários da CPI do Banestado – em juntas comerciais e em paraísos fiscais, dividido em 16 capítulos. Foram 12 anos de produção do livro até chegar às livrarias.[19]

A primeira edição, de 15 mil exemplares, esgotou-se no dia do lançamento, 9 de dezembro. No dia 12, a Geração Editorial decidiu reimprimir 30 mil. No dia 14 de dezembro, Luiz Fernando Emediato, da Geração Editorial, subiu para 80 mil cópias[20]. O jornal O Estado de S.Paulo noticiou apenas no dia 15 de dezembro, depois de ampla repercussão em blogs e redes sociais. A notícia de que “…15 mil exemplares vendidos em menos de uma semana,…” já estava defasada.[21]

Repercussão e comentário inicial

A grande imprensa brasileira ignorou o lançamento deste livro, [22] mas ele teve uma grande repercussão em blogs, identificados com a esquerda, e nas redes socias. No dia 11 de dezembro de 2011, aparece a primeira manchete sobre o livro em língua inglesa: “Boycotted by Brazil’s Mainstream Media Book on Opposition’s Corruption Becomes Instant Bestseller. “[23] e no dia 22 de dezembro o livro está na capa do jornal argentino “Página 12″. [24]

No dia 13 de dezembro, a assim-dita grande midia continuou a ignorar o “best-seller” e o jornalista Gilberto Maringoni (Carta Maior) escreveu: ” Um curioso espírito de ordem unida baixou sobre a Rede Globo, a Editora Abril, a Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e outros. Ninguém fura o bloqueio da mudez, numa sinistra brincadeira de “vaca amarela” …[25] O jornal “Folha de S. Paulo” quebrou o seu silêncio no dia 15 de dezembro, publicando a opinião do ex-governador:

“Trata-se de uma coleção de calúnias que vem de uma pessoa indiciada pela Polícia Federal. Isso é crime organizado fingindo ser jornalismo[26]. José Serra

No mesmo dia, a Folha de São Paulo publicou que: “Jornalista acusa tucanos de receber propina”, que dá notícias sobre a repercussão do livro.[27]

O jornalista Luis Nassif, classificou a obra como “A reportagem investigativa da década”.[28] Os jornalistas Luiz Carlos Azenha e Luis Fausto afirmaram que os 15 mil exemplares da 1ª edição foram esgotados no primeiro dia.[29][30]. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso chegou a cancelar um evento de autógrafos de seu novo livro de memórias [31], e cancelou todos seus eventos para o fim de ano, adiantando suas férias [32]. Como medida de comparação, o livro de não-ficção mais vendido no Brasil em 2011, “Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil“, lançado em 2009 pelo jornalista Leandro Narloch, vendeu 71 mil cópias em todo o ano segundo o site Publish News.[33].

O jornalista Paulo Henrique Amorim — conhecido ferrenho opositor do PSDB — defende que o conteúdo do livro seria suficiente para que figuras como José Serra e Fernando Henrique Cardoso sejam presos, a exemplo de outros ex-presidentes latino-americanos que também comandaram privatizações fraudulentas em seus países, como Alberto Fujimori do Peru, Gonzalo Sánchez de Lozada da Bolívia, Carlos Salinas de Gortari do México.

No dia 21 de dezembro, o autor do livro participou de um debate sobre “o silêncio da mídia” com o deputado federal Protógenes Queiroz (PCdoB-SP), autor do pedido de CPI sobre o tema, e o jornalista e blogueiro Paulo Henrique Amorim.[34]. Em sua edição online do mesmo dia, a revista Veja, da Editora Abril, publicou uma notícia sobre a obtenção por Protógenes, com base no livro, das assinaturas para a CPI.

No dia 23 de dezembro a matéria deixou existir [35] naquele espaço virtual. Desde o lançamento do livro, a revista Veja, que publica semanalmente uma lista dos livros mais vendidos e comenta os sucessos populares, não fez nenhuma resenha sobre a obra e barrou a matéria online sobre os reflexos políticos que ela está provocando. O silêncio generalizado dos veículos tradicionais de comunicação — exceção feita a uma crítica no jornal Folha de S. Paulo, em 15 de dezembro — perdurou por semanas. [36]

Passados 19 dias da chegada de “A Privataria Tucana” a livrarias do país, a publicação foi inserida na lista dos livros mais vendidos de não ficção da semana da Veja na internet, no dia 28 de dezembro.[37].

A Globo, no caderno, Prosa & Verso, colocou o livro em primeiro lugar, seguido em segundo pelo livro, Steve Jobs – A biografia[38]. Somente no dia 28 de dezembro, que a Globo publicou comentários sobre o conteudo do livro. Com o título “Querem impor a mordaça“, Marco Antonio Villa afirma que “o panfleto de Amaury Ribeiro é apenas um produto da máquina petista de triturar reputações. Foi produzido nos esgotos do Palácio do Planalto“. Nada foi comentado, no artigo, sobre as acusações de tucanos receberem propina, nem sobre a venda de 15 mil exemplares da 1ª edição do “best-seller”.[39]

CPI da Privataria

No dia 15 de dezembro de 2011, O deputado federal Delegado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) conseguiu recolher as 171 assinaturas de deputados, necessárias para a abertura de uma comissão parlamentar de inquérito CPI. Protógenes disse que a motivação veio do livro do jornalista Amaury Ribeiro Junior, que o deputado classificou como um “importante documento”. O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), recebeu um pedido de abertura de (CPI) para investigar o processo de privatizações realizado durante o governo Fernando Henrique, apurar os supostos casos de lavagem de dinheiro e a realização de uma audiência pública para debater as denúncias do livro.

Brizola Neto (PDT-RJ) foi à tribuna da Câmara e pediu ao seu partido mais assinaturas para o pedido de CPI apontando que “No livro, só de documentos, são mais de 100 páginas, que mostram claramente o que aconteceu durante o processo de privatizações do governo FHC e o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) pediu a realização de audiências públicas para apurar as denúncias feitas pelo jornalista. [40]

Os deputados Nelson Marchezan Júnior (PSDB-RS), Antônio Imbassahy (PSDB-BA) e Fernando Francischini (PSDB-PR) surpreenderam aos lideres tucanos ao assinarem a CPI da Privataria. Francischini, apesar do apelo de Fernando Henrique Cardoso para considerarem o livro como uma “coleção de calúnias” e “crime organizado fingindo ser jornalismo”, esclareceu sua posição ao Jornal do Brasil, dizendo: “Acho que tudo deve ser investigado e, se as denúncias forem verdadeiras, os culpados devem ser punidos. Se provarem tudo o que estão falando, vou ser o primeiro a pedir punição. Ao mesmo tempo, se elas forem falsas, os responsáveis pelo livro terão que pagar”. [41] No dia 16 de dezembro, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff afirmou não ter lido o livro e, segundo ela, “CPI é para caso extremo”[42].

O deputado Protógenes conseguiu o número de assinatura (186) suficientes para requerer a abertura da CPI. Mas ele disse que “A comissão só será mesmo aberta se houver pressão popular“.[43]

Outro lado

O ex-governador José Serra (PSDB-SP) falou que não leu, mas afirma que livro é um “lixo”. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) também classificou a publicação como “literatura menor”. [44]

Em uma nota, o ex- presidente, Fernando Henrique Cardoso, no dia 15 de dezembro, disse que o livro “É infâmia!”.

(…)quero deixar registrado meu protesto e minha solidariedade às vítimas da infâmia e pedir à direção do PSDB, seus líderes, militantes e simpatizantes que reajam com indignação. Chega de assassinatos morais de inocentes. Se dúvidas houver, e nós não temos, que se apele à Justiça, nunca à infâmia.[45]. Fernando Henrique Cardoso

Em nota oficial, o PSDB classificou o livro como “uma eviana tentativa de atribuir irregularidades aos processos de privatização no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso e acusa o Partido e os seus líderes de participar de ações criminosas” [46] O partido ainda reforça que as privatizações viabilizaram a modernização da economia brasileira, com investimentos em serviços essenciais e a geração de milhares de empregos, e que todas as privatições foram auditadas pelo Tribunal de Contas da União, Ministério Público Federal e outros órgãos de controle, onde nenhuma irregularidade foi constatada[47]. Sérgio Guerra, presidente nacional do PSDB, declarou que entrará com um processo contra o jornalista e a editora que publicou a obra.

No dia 22 de dezembro, Verônica Allende Serra respondeu às acusações feitas a ela no livro. Ela colocou que são as “(…)insinuações e acusações totalmente falsas a meu respeito.” e lembrou que se houve “…qualquer tipo de movimentação ilegal de recursos…” ela não esteve envolvida “nem remotamente“:

Não fui sócia de Verônica Dantas…Não fundamos empresa juntas, nem chegamos a nos conhecerVerônica Allende Serra

Sobre as acusações do seu indiciamento (disponível na página 286 do livro), ela disse que “Nunca fui ré em processo nem indiciada pela Polícia Federal” [48] A nota de Verônica detalha a sua participação na empresa Decidir[49], mas não apontou fontes ou documentos para dar apoio sua resposta; entretanto, há fontes [nota 1] que contradizem Verônica sobre nunca ser uma “ré em processo”.[50]

Notas

  1. Em um processo na “JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU EM SÃO PAULO” (2003.61.81.000370-5), Verônica foi indiciada pela procuradora Rita de Fatima Fonseca

Referências

  1. Dados bibliográficos Ribeiro Junior, Amaury / A privataria tucana / ‑‑ São Paulo :Geração Editorial, 2011. (Coleção história agora ; v. 5)
  2. Serra tenta comprar estoque de livro-bomba publicado em 10 de dezembro de 2011 [[1]]
  3. Aécio foge de polêmica com livro e Ciro Gomes publicado em 9 de dezembro de 2011 por Rafael Rodrigues no Jornal Bahia Noticias[[2]]
  4. Aécio foge de polêmica com livro e Ciro Gomes publicado em 9 de dezembro de 2011 por Rafael Rodrigues no Jornal Bahia Noticias[[3]]
  5. Serra tenta comprar estoque de livro-bomba publicado em 10 de dezembro de 2011 [[4]]
  6. pág 20: Fui transferido do Correio Braziliense para o Estado de Minas, diário de Belo Horizonte do mesmo grupo. Longe de Brasília, troquei as pautas de polícia em favor das de política. Agora, o confronto não era entre os bandidos e a lei no faroeste caboclo do entorno. Não havia tiros, cadáveres ou sangue nas ruas. O embate era silencioso e sorrateiro nos desvãos da política e, principalmente, da baixa política. Esta coreografia de punhais no interior do ninho tucano envolvia as pré‑candidaturas de José Serra e de Aécio Neves à Presidência da República. Brasília, de novo, entrava na minha vida. E começava uma outra história.
  7. Carta Capital,14 de Dezembro de 2011. nº 676, ano XVII, p.70-81
  8. http://www.viomundo.com.br/denuncias/a-bomba-que-vai-estourar-no-colo-de-teixeira.html
  9. http://www.tijolaco.com/do-paraiso-fiscal-ao-paraiso-sp-a-conexao-citco-phc/
  10. Ricardo Sérgio de Oliveira é, além de homem de confiança de Serra, ex-funcionário do Citibank; ex-diretor da área internacional do Banco do Brasil no governo FHC; que participou da elaboração da privatização da Telebrás; ex-tesoureiro de campanha de Fernando Henrique Cardoso (FHC) e de José Serra.
  11. Documento comprovatório da empresa Iconexa, pp. 265 a 274 (Ribeiro Junior, Amaury, 2011)
  12. Documento comprovatório das ligações do grupo com o banco Opportunity e a rota do dinheiro, pp. 190 a 256 (Ribeiro junior, Amaury, 2011)
  13. na pág. 25: “o trabalho de campo era liderado pelo funcionário da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Luiz Fernando Barcellos, conhecido como “agente Jardim“.
  14. Chega às livrarias ‘A Privataria tucana’, de Amaury Ribeiro Jr. CartaCapital relata o que há no livro publicado no dia 12 de dezembro de 2011 na Revista Carta Capital[[5]]
  15. http://www.viomundo.com.br/denuncias/privataria-tucana-livro-de-amaury-ribeiro-jr-explica-poder-de-serra.html
  16. http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20090228/not_imp331197,0.php
  17. na pág 24: “O que me pedem e o seguinte: descobrir quais são os arapongas que estariam no encalço do governador de Minas, Aécio Neves, durante seus discretos roteiros sentimentais pelo Rio de Janeiro. Segundo o relato, Aécio e vigiado e tem seus movimentos seguidos por agentes arregimentados por seu adversário na disputa dentro do PSDB pela pré candidatura a Presidência da Republica. O então governador paulista, Jose Serra, trabalhava nos bastidores para alijar o concorrente mineiro do páreo. De posse de um dossiê, Serra teria mandado um recado, por intermédio de seus emissários, para que Aécio jogasse a toalha. Ou seja, Serra, com seu estilo inconfundível, estaria chantageando o neto de Tancredo Neves”
  18. Guerra Aécio/Serra abriu a caixa preta da “privataria” publicado no dia 9 de dezembro de 2011pelo jornal Brasil 247[[6]]
  19. A Privataria Tucana cai na Internet“. Portal Vermelho. 13 de dezembro de 2011. (página da notícia visitada em 14/12/2011)
  20. Com 80 mil cópias, 2ª edição de Privataria Tucana chega na sexta às livrarias por Conceição Lemes publicado no dia 14 de dezembro de 2011 [[7]]
  21. Livro usa papéis da CPI do Banestado contra tucanos – Em ‘A Privataria Tucana’, Amaury Ribeiro, indiciado pela PF, mostra documento inédito sobre suposta evasão de divisas Artigo por DANIEL BRAMATTI publicado no dia 16 de dezembro de 2011 – O Estado de S.Paulo [[8]]
  22. Cerra e PiG fazem o pacto da mortepublicado pelo jornal Correio do Brasil – Número 4363 [[9]]
  23. http://www.brazzil.com/component/content/article/240-december-2011/10541-boycotted-by-brazils-mainstream-media-book-on-oppositions-corruption-becomes-instant-bestseller.html
  24. http://www.rodrigovianna.com.br/plenos-poderes/privataria-tucana-e-destaque-na-imprensa-argentina-so-o-pig-nao-da.html
  25. Midia não sabe o que fazer com “privataria” artigo publicado pelo JORNAL JÁ de Porto Alegre, no dia 13/12/11 [10]
  26. Serra diz que livro é ‘coleção de calúnias’; outros não comentam. artigo sem assinatura publicado no dia 15/12/2011 – [[11]]
  27. Matéria Folha de São Paulo, seção Poder, caderno A, pág. 11, publicada em 15 de dezembro de 2011: “Jornalista acusa tucanos de receber propina”, que dá notícias sobre a repercussão do livro.
  28. “A reportagem investigativa da década” [[12]]
  29. “Emediato: Esgotada primeira edição de Privataria Tucana” [[13]]
  30. “Livro sobre privataria tucana está esgotado” [[14]]
  31. “Privataria tucana cancela lançamento do livro de memórias de FHC” [[15]]
  32. http://colunistas.ig.com.br/poderonline/2011/12/12/fhc-antecipa-as-ferias/#comment-122319
  33. “Lista de mais vendidos de 2011 | Em aberto” consultado em 12/12/2011 [[16]]
  34. Privataria Tucana e o silêncio da mídia Publicado em 21/12/2011 por Anselmo Massad, Rede Brasil Atual [17]
  35. [[18]]
  36. Veja vai e volta, publica e despublica Privataria . artigo publicado em 23 de Dezembro de 2011 por PortoGente [[19]]
  37. “A Privataria Tucana” entra na lista dos mais vendidos até da VejaArtigo publicado em 28/12/2011 pela Redação da Rede Brasil Atual[[20]]
  38. Arquivo da Agência O Globo [[21]]
  39. Querem impor a mordaça“, Marco Antonio Villa, o Globo [[22]]
  40. “Privataria tucana”: deputados pedem CPI e audiência pública na Câmara. artigo publicado no dia 13/12/11 pelo jornal [23]
  41. Tucano defende CPI da Privataria: “É nosso dever investigar” artigo de Jorge Lourenço do Jornal do Brasil publicado no dia 15/12/11 [[24]]
  42. Dilma diz que não leu A Privataria Tucana: “CPI se faz em caso extremo” Artigo publicado no jornalSul21 [25]
  43. Bastidores da República Publicado em 23 de dezembro de 2011 pela A TRIBUNA (Mato Grosso) [[26]]
  44. Serra chama de ‘lixo’ livro sobre privatizações‎ artigo publicado no dia 13 de dezembro de 2011 no Jornal “Diário do Grande ABC” [[27]]
  45. Em nota, FHC apoia Serra contra livro: “É infâmia” Publicado no Jornal do Brasil, dia 15/12/11 [[28]]
  46. Para PSDB, PT está por trás de livro que denuncia fraudes nas privatizações, estadão.com.br. 15 dez. 2011
  47. Nota oficial – PSDB. 15 dez. 2011.
  48. Resposta aos difamadores
  49. http://www1.folha.uol.com.br/poder/1026768-em-nota-filha-de-serra-rebate-acusacoes-de-livro-sobre-privatizacoes.shtml
  50. CRIME DE QUEBRA DE SIGILO FINANCEIRO (ART.10 DA LC 105/01) – CRIMES PREVISTOS NA LEGISLACAO EXTRAVAGANTE – PENAL (Proc. nº 2003.61.81.000370-5) – [[29]]

http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Privataria_Tucana

O Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, promoveu um debate sobre o livro “A Privataria Tucana” que contou com a participação do autor do livro, Amaury Ribeiro Jr., do jornalista Paulo Henrique Amorim e do Deputado Federal Protógenes Queiroz. Assista o vídeo:

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: