Estudo sueco revela segredos para chegar aos 100 anos

modmelhoridade

Nos últimos 50 anos, pesquisadores da Universidade de Gotemburgo (Suécia) têm acompanhado a saúde de 855 homens nascidos em 1913.

Agora que o estudo está sendo finalizado, eles verificaram que 10 dos indivíduos atingiram os 100 anos de idade.

Assim, e graças ao rigor do estudo, foi possível tirar algumas conclusões sobre os segredos dessa longevidade.

Vida depois dos 80 anos

Vários exames e entrevistas foram feitos com os voluntários quando eles atingiram as idades de 54, 60, 65, 75, 80 e 100 anos, permitindo identificar os fatores que parecem promover a longevidade – os primeiros levantamentos foram realizados em 1963.

Um total de 27% (232) do grupo original viveu até a idade de 80 anos; 13% (111) viveram até os 90 anos. E 1,1% dos indivíduos chegaram ao seu 100º aniversário.

De acordo com o estudo, 42% das mortes após os 80 anos foram ocasionadas por doenças cardiovasculares, 20% por doenças infecciosas, 8% por acidente vascular cerebral (derrame), 8% por câncer, 6% por pneumonia e 16% por outras causas.

Um total de 23% do grupo acima de 80 anos foram diagnosticados com algum tipo de demência.

Como viver bem dos 50 aos 100 anos

O estudo permitiu identificar alguns fatores que influenciaram a sobrevivência após a idade de 50 anos deste pequeno número de indivíduos.

“Nossa recomendação para as pessoas que aspiram ao centenarianismo é não fumar, manter níveis saudáveis de colesterol e limitar-se a quatro xícaras de café por dia,” disse o Dr. Lars Wilhelmsen, ele próprio envolvido no estudo ao longo dos últimos 50 anos.

Também ajuda se você mora em uma boa casa ou apartamento a partir dos 50 anos – indicando bom nível socioeconômico -, tem boa capacidade de trabalho e sai-se bem em um teste de bicicleta aos 54 anos, ou seja, se entra na velhice com um bom estado físico geral.

Menos genética, mais estilo de vida

longevidade

Nascer de uma mãe que viveu muito ajuda, mas menos do que os fatores de estilo de vida – além disso, outros estudos mostraram que os “genes da longevidade” aumentam apenas a vida não saudável.

“Nossos resultados mostram que há uma correlação com a longevidade materna, mas não paterna. Mas também descobrimos que este ‘fator genético’ é mais fraco do que os outros fatores. Portanto, fatores que podem ser influenciados são importantes para uma vida longa,” concluiu o Dr. Wilhelmsen.

Isto corrobora análises feitas em outras partes do mundo, incluindo a longevidade nas ilhas gregas, assim como as raízes culturais da longevidade japonesa.

log_pir_47

.

 Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.

eu_47 Seja amigo do autor do site no Facebook, e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: