Metástase do câncer é reduzida com alteração na dieta

piramidal.net | lojapiramidal.com

compartilhar

Asparagina

Um aminoácido chamado asparagina é essencial para a propagação do câncer de mama. Sendo assim, controlar sua concentração no organismo torna possível impedir que as células cancerosas invadam outras partes do corpo.

Essa inibição da metástase do câncer de mama pela restrição da asparagina acaba de ser testada com sucesso em animais de laboratório.

Isto é importante porque a maioria das pacientes com câncer de mama não morre do tumor primário, mas da disseminação do câncer para os pulmões, cérebro, ossos ou outros órgãos. Para poder se espalhar, as células cancerosas precisam primeiro deixar o tumor original, sobreviver no sangue como células tumorais circulantes, e depois colonizar outros órgãos.

Logo, encontrar maneiras de impedir que isso aconteça é fundamental para aumentar a sobrevivência das pacientes.

Nosso corpo produz asparagina, mas o composto também é encontrado em nossa dieta, com concentrações mais altas em alguns alimentos que incluem aspargos, soja, produtos lácteos, carnes de aves e frutos do mar.

Dieta mais quimioterapia

Pesquisadores do Cancer Research UK, em Cambridge (Reino Unido) bloquearam a produção de asparagina usando uma droga chamada L-asparaginase. Os animais de laboratório também foram submetidos a uma dieta de baixa asparagina. Em conjunto, o tratamento reduziu consideravelmente a capacidade do câncer de mama de se espalhar.

A equipe espera que a terapia, sobretudo a dieta que restringe alimentos ricos em asparagina, possa ser usada em conjunto com os tratamentos convencionais, como a quimioterapia, para reduzir a propagação da doença e melhorar os prognósticos.

Além disso, a mesma terapia pode ter implicações para outros tipos de câncer, incluindo câncer de rim e cabeça e pescoço.

“Este resultado adiciona informações vitais para a nossa compreensão de como podemos parar a propagação do câncer – o principal motivo pelo qual os pacientes morrem da doença. No futuro, restringir este aminoácido através de um plano de dieta controlada ou por outros meios poderá ser uma parte adicional do tratamento para alguns pacientes com câncer de mama e outros tipos de câncer,” resumiu o Dr. Greg Hannon, principal responsável pelos testes, que foram descritos em um artigo na revista Nature.

http://www.diariodasaude.com.br

Piramidal no Facebook
.
●●● Gostou? Então curta nossa página no Facebook.
.
Autor
●●●
 Seja amigo do autor do site no Facebook e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.

Anúncios

Falta de magnésio impede que corpo aproveite vitamina D

piramidal.net | lojapiramidal.com

compartilhar

Vitamina D e magnésio

Inúmeras pesquisas têm mostrado que a vitamina D é mais importante para a nossa saúde do que se pensava e que níveis adequados de vitamina D são essenciais para um envelhecimento saudável.

Mas há uma ressalva: para elevar seus níveis de vitamina D, preferencialmente tomando Sol moderadamente, não esqueça o magnésio.

Uma revisão publicada pela Associação Osteopática Norte-Americana mostra que a vitamina D não pode ser metabolizada sem níveis suficientes de magnésio, o que significa que a vitamina D permanece armazenada e inativa em até 50% das pessoas.

Riscos dos suplementos de vitamina D

“As pessoas estão tomando suplementos de vitamina D, mas não percebem como ele é metabolizado. Sem magnésio, a vitamina D [na forma de suplementos] não é realmente útil ou segura,” explicam os pesquisadores Anne Marie Uwitonze e Mohammed Razzaque em um artigo publicado no The Journal of the American Osteopathic Association.

Razzaque acrescenta que o consumo de suplementos de vitamina D pode aumentar os níveis de cálcio e fosfato de uma pessoa, mesmo que ela permaneça deficiente em vitamina D. O problema é que as pessoas podem sofrer de calcificação vascular se seus níveis de magnésio não forem suficientemente altos para prevenir a complicação.

Magnésio

O magnésio é o quarto mineral mais abundante no corpo humano, depois do cálcio, potássio e sódio.

A média diária recomendada de ingestão de magnésio é de 420 mg para homens e 320 mg para mulheres.

Os alimentos com alto teor de magnésio incluem:

Amêndoas, bananas, feijão, brócolis, arroz integral, castanha de caju, gema de ovo, óleo de peixe, linhaça, vegetais verdes, leite, cogumelos, nozes, aveia, sementes de abóbora, sementes de gergelim, soja, sementes de girassol, milho, tofu e grãos integrais.

O consumo de magnésio de alimentos naturais diminuiu nas últimas décadas, devido à agricultura industrializada e mudanças nos hábitos alimentares. Os níveis de magnésio são baixos em populações que consomem alimentos processados, que se baseiam mais em grãos refinados, gorduras, fosfatos e açúcar.

Falta de magnésio e vitamina D

Pacientes com níveis ótimos de magnésio exigem menos suplementação de vitamina D para atingir níveis suficientes do composto no organismo. O magnésio também reduz a osteoporose, ajudando a mitigar o risco de fraturas ósseas, que podem ser atribuídas a níveis baixos de vitamina D, destacam os pesquisadores.

A deficiência em qualquer um desses nutrientes – magnésio e vitamina D – está associada a vários distúrbios, incluindo deformidades esqueléticas, doenças cardiovasculares e síndrome metabólica.

http://www.diariodasaude.com.br

Piramidal no Facebook
.
●●● Gostou? Então curta nossa página no Facebook.
.
Autor
●●●
 Seja amigo do autor do site no Facebook e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.

Qual é o melhor leite vegetal?

piramidal.net | lojapiramidal.com

compartilhar

ESTE É O TIPO PADRÃO DE ESTUDO FRAUDADO E MANIPULADO. FEITO CERTAMENTE A MANDO DE ALGUMA EMPRESA QUE PAGOU POR ELE PARA FAVORECER SUAS VENDAS E LUCROS. RESTA A DÚVIDA: QUEM PAGOU POR ESTE ESTUDO? FOI A INDÚSTRIA DO LEITE DE VACA OU A INDÚSTRIA DO LEITE DE SOJA (TRANSGÊNICO E ALTAMENTE CANCERÍGENO!!!)

Há um número cada vez maior de pessoas interessadas em mudar os hábitos alimentares que envolvam derivados de animais.

Na lista de compras dessas pessoas, os leites de origem vegetal estão sempre presentes.

Mas qual será o melhor leite proveniente de fontes de plantas em todo o mundo – leite de amêndoa, leite de soja, leite de arroz ou leite de coco?

Para responder a essa pergunta, Sai Kranthi Vanga e Vijaya Raghavan, da Universidade McGill (Canadá) compararam os valores nutricionais de cada um deles em relação ao leite de vaca.

Depois do próprio leite de vaca, que ainda é o mais nutritivo, o leite de soja foi o vencedor claro.

(Leite de vaca nutritivo??? Só se for para bezerros que pesam 100kg!!!)

(Apesar de ser transgênico???…!!!)

Mas há alguns fatores que devem ser considerados, e cada pessoa deve ponderar todos eles para fazer sua própria escolha.

Os pesquisadores compararam as versões não adoçadas dos vários leites à base de plantas em todos os casos e os dados abaixo são baseados em uma dose de 240 ml.

Leite de soja – o perfil nutricional mais equilibrado

(Apesar de ser transgênico???…!!!)

O leite de soja é amplamente consumido pelos seus benefícios para a saúde, benefícios esses associados às propriedades anticarcinogênicas dos fitonutrientes presentes na soja, conhecidos como isoflavonas.

Como um substituto do leite de vaca por mais de quatro décadas, parece haver poucas preocupações quanto a efeitos secundários.

As preocupações, no entanto, envolvem a presença de antinutrientes, substâncias que reduzem a ingestão e a digestão de nutrientes, e o sabor “granuloso”.

Leite de arroz – sabor doce e pouco nutritivo

Sem lactose, ele pode funcionar como uma alternativa para pacientes com problemas de alergia à soja e à amêndoa.

As preocupações, além da alta contagem de carboidratos, é que o consumo exclusivo de leite de arroz sem cuidados adequados pode resultar em desnutrição, especialmente em lactentes.

Leite de coco – sem proteína e poucas calorias

O leite de coco é amplamente consumido na Ásia e na América do Sul.

Seu consumo pode ajudar a reduzir os níveis de lipoproteínas nocivas de baixa densidade (LDL, ou colesterol ruim) associadas a doenças cardiovasculares.

Seus valores nutricionais se reduzem se armazenado por mais de 2 meses.

Leite de amêndoa – necessidade de fontes complementares de nutrientes essenciais

As amêndoas têm um alto teor de ácidos graxos monoinsaturados, que são considerados úteis na perda e no controle de peso. Esses ácidos graxos também ajudam na redução do colesterol LDL.

Alergia ao leite de vaca e intolerância à lactose

Uma das alergias mais comuns entre lactentes e crianças, afetando de 2,2 a 3.5% das crianças, uma porcentagem maior do que aqueles afetados por alergias a amendoim e nozes. Cerca de 35% desses bebês superam a alergia ao leite na faixa dos 5-6 anos de idade, aumentando para 80% aos 16 anos.

A intolerância à lactose, pela ausência ou deficiência da enzima lactase no trato digestivo, afeta em alguma medida entre 15 e 75% de todos os adultos, dependendo da raça, dos hábitos alimentares e da saúde intestinal – as pessoas de origem africana, asiática e indígena apresentam as maiores taxas de intolerância à lactose.

Os pesquisadores concluíram seu relatório ressaltando que novas pesquisas precisarão ser feitas para entender os efeitos de vários novos métodos de processamento das matérias-primas, que podem resultar em alterações no perfil nutricional, sabor e textura dos leites alternativos, de origem vegetal.

Leite de vaca é perfeito PARA BEZERROS!

fontes: http://www.diariodasaude.com.br e Youtube.com.

Piramidal no Facebook
.
●●● Gostou? Então curta nossa página no Facebook.
.
Autor
●●●
 Seja amigo do autor do site no Facebook e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.

Salada diariamente reduz 11 anos na idade do seu cérebro

piramidal.net | lojapiramidal.com

compartilhar

Folhas para deixar o cérebro mais verde

Comer cerca de uma porção por dia de vegetais de folhas verdes leva a uma taxa mais lenta de envelhecimento cerebral.

As pessoas que comem pelo menos uma porção desses vegetais verdes e folhosos por dia apresentam uma taxa de declínio mais lento em testes de memória e habilidades de pensamento do que as pessoas que nunca ou raramente comem esses vegetais.

A diferença entre os dois grupos foi o equivalente a ter 11 anos de idade a menos.

O comparativo envolveu 960 pessoas com idade média de 81 anos que não apresentavam demência e foram acompanhadas por mais de uma década – uma média de 4,7 anos entre todos os participantes.

“Adicionar uma porção diária de vegetais de folhas verdes à sua dieta pode ser uma maneira simples de promover a saúde do cérebro,” resumiu a Dra. Martha Clare Morris, da Universidade Rush (EUA).

Ganhos de raciocínio e memória

A equipe monitorou o consumo de três vegetais verdes de folhas: espinafre, com uma porção medida como meia xícara de espinafre cozido; couve, com uma porção de meia xícara cozida; e salada de alface, crua, com uma porção de um copo.

No geral, as pontuações dos participantes nos testes de raciocínio e memória diminuíram ao longo do tempo a uma taxa de 0,08 unidades padronizadas por ano. Ao longo de mais de 10 anos de seguimento, a taxa de declínio para aqueles que comiam mais vegetais folhosos foi mais lenta em 0,05 unidades padronizadas por ano. O somatório da diferença equivaleu à pessoa ser 11 anos mais nova.

Os resultados permaneceram válidos mesmo após levar-se em conta outros fatores que poderiam afetar a saúde do cérebro, como tabagismo, hipertensão arterial, obesidade, nível educacional, atividades físicas e atividades cognitivas.

A Dra. Morris observou que o estudo não prova que comer vegetais de folhas retarda o envelhecimento cerebral, apenas mostra uma associação entre as duas coisas, não permitindo descartar outros possíveis motivos para a conexão.

Os resultados foram publicados na revista médica Neurology, da Academia Norte-Americana de Neurologia.

http://www.diariodasaude.com.br

Piramidal no Facebook
.
●●● Gostou? Então curta nossa página no Facebook.
.
Autor
●●●
 Seja amigo do autor do site no Facebook e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.

Erva-de-passarinho: Redescobrindo uma antiga planta medicinal

piramidal.net | lojapiramidal.com

compartilhar

Visco

Ele está associado às tradições de Natal e aos antigos druidas, mas o visco tem um uso mais prático: como tratamento para pacientes com câncer.

O visco (Viscum album), mais conhecido no Brasil como erva-de-passarinho, é uma planta arbustiva hemiparasita, ou seja, não é totalmente dependente da sua árvore hospedeira. É um arbusto florido que cresce em cima das árvores.

O poder de cura da erva-de-passarinho já era conhecido pelos médicos na época de Hipócrates, na Grécia Antiga. No entanto, foi só em 1917 que a cofundadora da medicina antroposófica, Ita Wegman, utilizou-a pela primeira vez em Zurique, na Suíça, em um tratamento contra o câncer, depois que seu colega Rudolf Steiner percebeu seu potencial de cura específico contra a doença.

Desde então, a erva-de-passarinho tornou-se um componente comprovado e cada vez mais reconhecido no tratamento complementar do câncer, especialmente na Europa, embora ainda não tenha sido aprovada como parte dos cuidados paliativos no Reino Unido e nos Estados Unidos.

Substâncias farmacológicas

Os arbustos do visco crescem muito devagar. Em vez de formar raízes e folhas, eles formam substâncias farmacológicas e tóxicas que têm fascinado os pesquisadores: as lectinas do visco são mais concentradas no inverno e nos ramos mais velhos, enquanto que as viscotoxinas (pequenas proteínas tóxicas para vários tipos de células) estão concentradas nas folhas novas no verão.

A tradição de sua colheita até hoje é mantida na Suíça, com o visco sendo colhido das árvores hospedeiras em junho e dezembro. Mais comumente, ele é colhido nos troncos de pinheiros, abetos, macieiras, carvalhos ou olmos, que são cada vez mais plantados exclusivamente para sustentar a produção da erva-de-passarinho.

Selecionado cuidadosamente, esmagado mecanicamente e depois misturado com água, o visco é submetido a fermentação do ácido lático, o que permite uma extração suave dos ingredientes. Os extratos do verão e do inverno são finalmente combinados em um aparelho sofisticado para produzir o ingrediente farmacêutico ativo, vendido como fitoterápico.

http://www.diariodasaude.com.br

Piramidal no Facebook
.
●●● Gostou? Então curta nossa página no Facebook.
.
Autor
●●●
 Seja amigo do autor do site no Facebook e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.

Conheça as flores comestíveis e como ingeri-las em suas refeições

piramidal.net | lojapiramidal.com

compartilhar

É preciso saber quais partes são consumíveis e quais são nocivas à saúde.

Inseridas desde os primórdios na gastronomia oriental, as flores comestíveis estão ganhando cada vez mais espaço nas cozinhas de todo o mundo, principalmente na culinária orgânica natural, que valoriza não só a quantidade de nutrientes, mas também a boa apresentação de seus pratos. Entre os principais usos para flores comestíveis está a retirada de óleos essenciais, que perfumam e proporcionam sabor a diversos outros alimentos.

De acordo com o especialista em agricultura orgânica Thiago Tadeu Campos, flores comestíveis, assim como raízes comestíveis, podem ser encontradas em diversos tamanhos, sabores e aromas, variando de acordo com a região em que são cultivadas e com os pratos que acompanham. Para as famílias que querem incentivar a alimentação saudável de seus filhos, flores comestíveis também podem ser uma ótima alternativa para conquistar o apetite das crianças, pois além de inusitadas, as flores comestíveis são muito saborosas.

Benefícios de incluir flores comestíveis no cardápio

As flores comestíveis possuem propriedades únicas, principalmente relacionadas ao seu sabor e aroma, que complementam pratos tradicionais e transformam o paladar quando consumidas. A maior parte das flores comestíveis possui alta quantidade de nutrientes, bem como carotenoides e óleos essenciais, o que torna seu consumo totalmente indicado para aqueles que buscam uma alimentação equilibrada e saudável.

O hábito de inserir flores no preparo dos alimentos tem origem em uma tradição antiga asiática, mas hoje, mesmo que pouco difundido, já faz parte da culinária ocidental, tornando-se inclusive o toque especial de chefs e nutricionistas que prezam pela qualidade da alimentação.

Antes de colocar as flores no prato ou na bebida, é preciso saber quais partes são consumíveis e quais são nocivas à saúde. Muitas flores permitem o consumo de suas pétalas e inflorescências ao mesmo tempo em que podem conter toxinas no caule ou no miolo. Conhecer a flor que deseja consumir é fundamental para evitar indigestão ou o mal-estar após o consumo.

Também é preciso saber preparar a planta após colher. Os chefs de cozinha recomendam colher em horários de clima mais fresco, realizar a retirada das partes desnecessárias, lavar delicadamente com água em temperatura ambiente e deixar secar em toalhas de papel, dessa forma as flores não perdem seu sabor ou aroma e permanecem intactas para o uso.

As flores comestíveis podem acompanhar saladas, sopas, pratos frescos, peixes, bebidas, vinhos, doces, conservas e também podem ser consumidas cristalizadas. São práticas e transformam a aparência dos pratos, deixando-os mais sofisticados e perfumados.

Conhecendo algumas flores comestíveis:

– Amor Perfeito: A flor Amor Perfeito pode ser utilizada inteira na hora de aromatizar vinagres, bebidas, sopas e até mesmo saladas. Seu sabor é levemente adocicado;

– Capuchinha: Rica em Vitamina C e com um sabor picante, a Capuchinha é muito utilizada na gastronomia, tendo suas flores e folhas utilizadas principalmente em saladas;

– Áster da China: A Áster da China foi por muito tempo utilizada como flor ornamental, atualmente é inserida em saladas cortadas mais finas, como repolho, pepino e cenoura. Contudo, é necessário retirar o miolo antes do preparo;

– Calêndula Dobrada: Com um florescimento mais rápido que as demais flores, a Calêndula é muito utilizada em saladas, sobremesas, no arroz, e tende a substituir o açafrão na culinária tradicional. Seu miolo é indigesto e deve ser retirado antes do preparo. Em contrapartida é rica em carotenoides e perfeita para atrair o público infantil;

– Lavanda: Os tons cítricos da Lavanda são conhecidos em chás e bebidas medicinais, contudo, poucos sabem que a flor também pode ser consumida em biscoitos, bolos, sorvetes e até mesmo no vinho, deixando os pratos muito mais bonitos e elegantes;

– Violeta: Para quem pretende utilizar Violetas na culinária, recomenda-se o uso da espécie Viola odorata, ideal para doces, xaropes e bolos;

– Hibisco: O Hibisco possui seu característico sabor cítrico, perfeito para incrementar bebidas, saladas e xaropes. Por ser ligeiramente ácido o Hibisco exige um maior controle em relação à quantidade consumida;

– Pétalas de Rosas: As pétalas de rosas são perfeitas para enfeitar bolos, sobremesas, saladas e pratos de verão. Além de perfumadas, conseguem surpreender na aparência do prato final;

– Malmequer: A Malmequer é uma planta muito popular no Brasil e seu consumo é majoritariamente em saladas, personalizando a decoração e oferecendo um aroma diferenciado à composição;

– Dente-de-leão: Com um sabor muito semelhante ao mel, o Dente-de-leão é frequentemente utilizado em doces, sobremesas e pratos sofisticados. Perfeito para uma reunião de amigos ou para fins de semana em família.

Como montar sua horta de flores orgânicas comestíveis

Criar sua própria horta orgânica é simples e rápido, com flores comestíveis o processo se torna ainda mais fácil, pois não exige cuidados específicos com nutrição do solo ou com o manejo das mudas de flores comestíveis. O solo exige uma mistura de areia, composto orgânico e terra vegetal, onde as sementes irão se desenvolver e germinarão entre os 20 primeiros dias. Para florescer as plantas levam de 130 a 150 dias, com exceção de algumas espécies de florescimento mais rápido como a Capuchinha e a Calêndula.

A irrigação deve ser realizada com o auxílio de um borrifador, uma vez que o excesso de água no solo pode contribuir para a proliferação de fungos e demais pragas. As flores comestíveis, exigem cerca de três horas de sol diariamente para realizar fotossíntese e se desenvolver vigorosamente. Caso as sementes germinem em demasia, recomenda-se o desbaste manual e a retirada de mudas mais fracas, para que as maiores consigam crescer e aproveitar os nutrientes do solo sem que haja competição entre plantas.

Tenha uma alimentação saudável e colorida!

Sempre que possível opte por alimentos orgânicos, pois além de serem ricos em nutrientes, são produzidos de maneira sustentável. Além disso, possuem sabor muito mais intenso, uma vez que não necessitam de produtos químicos durante o cultivo. Torne a sua alimentação muito mais colorida e divertida sem abrir mão dos nutrientes e do seu bem-estar.

http://ciclovivo.com.br

Piramidal no Facebook
.
●●● Gostou? Então curta nossa página no Facebook.
.
Autor
●●●
 Seja amigo do autor do site no Facebook e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.

Como migrar para uma alimentação baseada em proteínas vegetais

piramidal.net | lojapiramidal.com

compartilhar

Lições do passado na alimentação

A resposta para os futuros desafios alimentares globais pode vir não de tecnologias futurísticas e revolucionárias, mas das lições do passado.

Desde a década de 1960, a alimentação na maioria dos países ocidentais passou a depender fortemente da carne.

Mas, com a demanda global de alimentos disparando – a população mundial já superou os 7 bilhões de pessoas e ainda há milhões passando fome – são necessárias outras fontes de proteínas de alta qualidade.

A resposta para esse desafio pode ser encontrada em plantas que já eram conhecidas pelas civilizações Maia e Inca, e que agora estão de volta à moda, como a quinoa, o amaranto e outras.

É o que defendem pesquisadores de 13 países envolvidos no projeto Protein2Food (proteínas convertidas em alimentos, em tradução livre), que está estudando os hábitos alimentares dessas culturas antigas e como suas dietas podem ser adaptadas à realidade atual – 11 países são da União Europeia, mais Peru e Uganda.

Proteínas de plantas

O projeto visa desenvolver proteínas alimentares de alta qualidade a partir do cultivo de vários tipos de sementes (como quinoa e amaranto) e leguminosas (tremoço, feijão e lentilhas), utilizando uma abordagem multidisciplinar envolvendo genética, agronomia e engenharia de alimentos.

Um dos objetivos de curto prazo é acelerar o processo de migração do consumo de proteínas contidas em carnes animais para proteínas contidas nas plantas.

“As proteínas da quinoa e do amaranto contêm todos os aminoácidos essenciais, portanto, mesmo que elas tenham um nível de proteína menor do que as leguminosas, elas têm uma maior qualidade nutricional,” disse o professor Cataldo Pulvento, do Centro Nacional de Pesquisas da Itália.

Só benefícios

“Nós podemos comer carne, ela tem gosto bom, mas é muito cara considerando a terra que temos que usar para produzir as plantas necessárias para alimentar os animais. E então temos um enorme consumo de água por cada quilograma de carne (produzido), o que é cerca de dez vezes maior do que para as plantas,” disse Sven-Erik Jacobsen, professor da Universidade de Copenhague e coordenador do projeto Protein2Food.

A equipe defende que, se o nosso consumo alimentar mudasse das proteínas animais para as proteínas vegetais, isso reduziria nossa pegada de carbono e melhoraria a biodiversidade e a saúde humana.

“Nossa dieta será muito mais diversificada, a fertilidade do solo vai melhorar. Podemos dizer: são apenas benefícios,” disse o professor Jacobsen.

http://www.diariodasaude.com.br

Piramidal no Facebook
.
●●● Gostou? Então curta nossa página no Facebook.
.
Autor
●●●
 Seja amigo do autor do site no Facebook e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.