FIAT Palio elétrico

Palio Elétricopor Eduardo Hoffmann

Em agosto de 2006 a concessionária Cemig (Centrais Elétricas de Minas Gerais) apresentou para seus funcionários o Fiat Palio Elétrico. O projeto do veículo é resultado de um parceria entre as concessionárias Itaipu Binacional e WKO (França) e a Fiat Automóveis.Segundo o engenheiro de tecnologia e normalização da Cemig, Virgilio Almeida Medeiros, o automóvel custa U$ 25 mil e, se fosse produzido em escala, o valor cairia para U$ 15 mil. “Com 35 mil quilômetros rodados, a economia de combustível paga o investimento de aquisição do carro”, ressalta.

O veículo elétrico é abastecido na tomada. Com bateria totalmente carregada, o carro roda 120 km e, após completamente descarregada, são necessárias entre seis e oito horas para recarregar.

A bateria utilizada pelo Fiat Palio Elétrico tem um sistema que anula a toxicidade de seus componentes em caso de choque. Além disso, o carro elétrico não emite nenhum poluente nem ruídos.

“Além disso, um veículo moderno com cinco passageiros em uso urbano para se deslocar 100 km gasta R$ 9,00 (5 km / kWh) menos da metade do que a despesa com gasolina em um veículo convencional para o mesmo uso”, explicou Virgílio Medeiros.

A apresentação do Fiat Palio Elétrico foi ralizada juntamente com o seminário Tecnologia e Mercado de Veículos Elétricos. No evento, foram abordados e discutidos temas relativos às possibilidades de utilização, com identificação de nichos para atuação, do uso desses veículos na frota da Empresa e seus benefícios potenciais.
Fonte: http://www.cemig.com.br

Realmente é um projeto muito bom e felizmente está conclúido. Melhor ainda: está prontinho para ser comercializado no Brasil. Tirando o fator design, que é uma proposta completamente diferente, o Palio Elétrico perde feio para os MDI Cat’s.

Ainda tem gente que consegue ser contra os carros elétricos, com o argumento de que para gerar a energia necessária para carregar as baterias, teriam que poluir da mesma forma. Pelo jeito, estes seres pensantes (quem diria?) só conhecem as usinas termelétricas. Um dia ainda descobrirão as usinas hidelétricas e eólicas. Então relembro agora a pergunta que não quer calar: O que está impedindo de colocarem o Palio Elétrico no mercado? Minha opinião é que já sabem sobre os MDI Cat’s, e têm consciência de que será impossível, por muito tempo, desbancá-lo. Além disso, nosso querido governo arrecada muito mais ICMS sobre a gasolina do que sobre a eletricidade.

Boa sorte para nós.
A tecnologia já existe. Cabe a nós utilizá-la.

http://motorsa.com.br/2007/08/02/fiat-palio-eletrico/

log_pir_47

.

 Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.

eu_47 Seja amigo do autor do site no Facebook, e esteja sempre antenado em assuntos interessantes como este.

Inaugurado o primeiro Eletroposto solar do Brasil

electricfuelpor Eduardo Hoffmann

Considerando que uma tomada elétrica residencial, seja ela de 110V ou 220V, qualquer residência ou empresa pode ser considerado um posto de abastecimento de veículos elétricos. Porém, na última quarta-feira (10/06/09) foi inaugurado o primeiro “eletroposto” do Brasil, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

O grande diferencial desta primeira unidade implantanda pela distribuidora BR é que o abastecimento do eletroposto é feito por paineis solares, ou seja, energia 100% limpa e renovável, o que torna a iniciativa ainda mais louvável e exemplar.

O grande inconveniente para os 300 veículos (carros e motos) que poderão utilizar-se do eletroposto, ainda está no tempo de regarga das baterias que pode levar de 1 a 3 horas. Ficar parado por três horas abastecendo o carro durante o horário comercial pode ser motivo suficiente para não utilizar-se estes veículos no dia-a-dia, pois a autonomia média das “eletrocicletas” é 40 km enquanto os carros chegam a 60 km.

redim-moto-eletricaPara solucionar este problema e incentivar o uso cotidiano dos veículos elétricos, o eletroposto também oferecerá, além da regarga em tomada “dedicada”, a troca das baterias descarregadas, visto que a unidade tem capacidade para armazenar até 100 quilowatts através dos paineís solares, podendo captar energia da rede caso seja necessário.

Outro fator desmotivador é o preço. Na residência o quilowatt custa R$0,40 enquanto no eletroposto custa R$2,60. Abastecendo no eletroposto, o preço para percorrer uma distância de 60 quilômetros pode chegar a R$31,00, enquanto o mesmo percurso, usando gasolina, custa cerca de R$ 15,00. Se abastecido na residência, o custo seria de apenas R$ 4,00, mas com energia “suja”.

http://motorsa.com.br

log_pir_47

.

 Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.

eu_47 Seja amigo do autor do site no Facebook, e esteja sempre antenado em assuntos interessantes como este.