Placa cerâmica embutida no asfalto produz energia

por Fábio Reynol

Ao passar sobre uma placa cerâmica embutida no asfalto veículos estimulam o material e produzem energia. Essa, por sua vez, alimenta a iluminação de placas e dos semáforos da própria rua ou estrada.

Essa é apenas uma das possíveis aplicações de uma pesquisa feita na Universidade Estadual Paulista (Unesp) que visa ao desenvolvimento de um sistema de aproveitamento da energia piezoelétrica, isto é, gerada por pressão.

O trabalho, que tem apoio da FAPESP por meio da modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular, começou com o professor Walter Katsumi Sakamoto, do Departamento de Física e Química da Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, que utilizou sua experiência na construção de sensores de radiação e de umidade de solo para elaborar dispositivos piezoelétricos.

Essas tecnologias têm em comum a utilização de compósitos cerâmicos nanométricos em formato de filmes. O pesquisador costumava importar alguns desses materiais, como o polifluoreto de vinilideno (PVDF), o poliéter-éter-cetona (PEEK) e o titanato zirconato de chumbo (PZT).

No entanto, para desenvolver o sensor piezoelétrico, decidiu encontrar similares nacionais. Foi quando convidou a professora Maria Aparecida Zaghete Bertochi, do Departamento de Química Tecnológica da Unesp, em Araraquara, a participar do trabalho.

“O desafio foi desenvolver um material que apresentasse boa dispersão no polímero e, para isso, precisávamos encontrar o tamanho e a dispersão ideal das partículas”, disse Maria Aparecida à Agência FAPESP. Bons resultados foram obtidos pela produção de nanopartículas de PZT preparadas por processo químico.

A fim de obter o material, o grupo de Araraquara desenvolveu um novo método de síntese para a cerâmica. O convencional, chamado de mistura de óxidos, exige altas temperaturas, além da submissão do material a um processo de moagem. Os pesquisadores conseguiram dispensar o tratamento térmico e a dispersão em meio aquoso e obtiveram o PZT a temperaturas de 180ºC. “Nosso método também promove menor contaminação ambiental por chumbo”, disse.

Já o compósito desenvolvido com a matriz PEEK suportou temperaturas de até 360º C e a nanocerâmica ficou bem dispersa, formando um filme compósito bastante homogêneo. O filme não precisa ficar na superfície do solo, o que torna o material apto a ser aplicado em condições severas. Os pesquisadores estimam que o dispositivo se manteria operante mesmo sob temperaturas inferiores a 0º C e sob água, como no caso de uma enchente, por exemplo.

Para gerar energia, o equipamento necessita de pressão intermitente, que seria exercida pela passagem dos pneus dos veículos. Essa força provoca uma deformação mecânica no material, que produz energia elétrica.

Sakamoto colocou o novo compósito entre duas placas de acrílico. O material gerou energia toda vez que uma das placas foi apertada manualmente, o que foi comprovado com o acendimento de um LED (diodo emissor de luz) conectado ao dispositivo.

Passos que iluminam

“Essa tecnologia poderá gerar energia em áreas movimentadas e não somente a partir da passagem de carros, mas também de pessoas a pé”, explicou Sakamoto.

Segundo ele, shopping centers poderiam utilizar pisos especiais que transformassem os passos dos frequentadores em energia para iluminar os corredores. Algumas estações de metrô no Japão já utilizam pisos desse tipo.

O advento recente das lâmpadas LED, que consomem bem menos energia do que as fluorescentes e incandescentes, deverá, segundo Sakamoto, ajudar a impulsionar o uso da tecnologia piezoelétrica. “Sem contar o ganho ambiental por se produzir uma energia limpa”, salientou.

“Dentro do próprio automóvel, poderíamos instalar geradores piezoelétricos que se alimentariam dos movimentos dos amortecedores, do giro dos pneus e de outras peças móveis”, estima. A fonte alternativa pouparia o motor do carro, atualmente o responsável pela alimentação de seu sistema elétrico.

As aplicações são inúmeras. Um exemplo seria o uso de compósitos em solas de sapatos, capazes de gerar energia suficiente para alimentar aparelhos celulares e outros eletrônicos portáteis enquanto seus usuários caminham.

Outro emprego da tecnologia piezoelétrica estaria na inspeção estrutural de materiais como, por exemplo, os usados na fuselagem de aeronaves. Sakamoto averiguou que o compósito foi bem-sucedido na detecção de microtrincas em placas de fibra de carbono presente nos aviões. Ao colar o filme compósito na superfície da placa, a presença de trincas é detectada. Isso ocorre porque as fissuras emitem sinais conhecidos como ondas de Lamb. Nesse caso, o PZT percebe a interferência e gera um sinal que pode ser lido em um osciloscópio.

Entre outras possíveis aplicações desses sensores também estão a detecção de vazamentos de raios X em clínicas e hospitais e a produção de implantes capazes de estimular o crescimento ósseo guiado, o que seria muito útil em tratamentos ortopédicos e implantes dentários.

O grupo de pesquisa tenta agora o desenvolvimento de matrizes poliméricas mais moles, semelhantes à borracha. “Em teoria, quanto maior a deformação do compósito, maior é o sinal gerado”, explicou o professor da Unesp.

Os pesquisadores procuram parceiros que se interessem em investigar novos capacitores que consigam armazenar uma quantidade maior de energia do que os modelos atuais. A nova geração desses dispositivos, apelidados de supercapacitores, é alvo das pesquisas desse tipo de energia.

Sakamoto aponta que a resposta para esse obstáculo estará mais uma vez na nanotecnologia. “O desafio será desenvolver outro nanomaterial com a propriedade primordial de acumular grande quantidade de energia em um tamanho reduzido”, disse.

http://www.agencia.fapesp.br/materia/12013/passagem-iluminada.htm

log_pir_47

.

 Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.

eu_47 Seja amigo do autor do site no Facebook, e esteja sempre antenado em assuntos interessantes como este.

Projeto britânico quer produzir comida e energia em deserto, 08-09-2008

Projeto britânico quer produzir comida e energia em desertoUma equipe de engenheiros e arquitetos baseados em Londres está combinando tecnologias para transformar imensas áreas desérticas em terrenos férteis com capacidade de produzir comida, água limpa e fontes alternativas de energia.

O Sahara Forest Project (Projeto Floresta Sahara) consiste em construir lado a lado estufas onde seria possível obter água limpa e cultivar alimentos, e painéis espelhados gigantes que captariam raios solares para gerar eletricidade.

A iniciativa combina tecnologias criadas pela empresa Seawater Greenhouse, que cultiva plantações em estufas instaladas em áreas áridas, e por arquitetos e engenheiros que desenvolveram uma técnica conhecida como Concentrated Solar Power (Energia Solar Concentrada, em tradução livre).

O criador da Seawater Greenhouse, Charlie Paton, explica que a técnica consiste em instalar evaporadores na entrada da estufa que convertem a água do mar em vapor. O vapor resfria a temperatura dentro do local em até 15 graus e favorece o crescimento da lavoura.

Do outro lado da estufa o vapor é condensado, transformando-se em água limpa que serve para regar as plantações.

Segundo Paton, a quantidade de água obtida é cinco vezes maior do que a necessária para molhar as plantas, produzindo um excedente que pode ser usado para mover turbinas acopladas aos painéis que captam a energia solar, gerando energia.

Biodiesel

De acordo com os criadores do Sahara Forest Project, em fase de testes em Tenerife, Omã e Emirados Árabes Unidos, a iniciativa terá potencial para produzir comida e eletricidade que serão consumidas por moradores locais.

A energia também poderia ser enviada para a Europa por meio de um conversor.

Com o excedente de água ainda seria possível cultivar pinhão manso, uma planta que serve de base para produzir biodiesel e que se adapta bem às terras desérticas.

Os criadores do projeto dizem que a iniciativa poderá ser uma ferramenta importante para combater a desertificação e trará múltiplos benefícios, como “grandes quantidades de energia renovável, comida e água”.

http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2008/09/080908_desertoestufasenergia_fp.shtml

ENEREDE: Rede Mundial de Intercâmbio de Energia Elétrica

Consideremos 2 fios elétricos de 4 mm2, que suportam um chuveiro elétrico de 5 kW e 220V.

Além destes 5 kW, podemos injetar mais 5 kW na outra extremidade dos fios, e ligar mais um chuveiro, resultando em 10 kW instalados num fio que habitualmente suporta apenas 5 kW.

Para visualizar esta propriedade, podemos eliminar os fios entre os 2 chuveiros, e teremos duas instalações independentes e separadas:

Agora religamos os fios e temos “zero” amperes no trecho entre os chuveiros. OK?

Também podemos injetar mais 10 kW entre os 2 chuveiros existentes, e conectar mais 2 chuveiros de 5 kW, resultando num total instalado de 20 kW nestes 2 fios.

Continuando o raciocínio; qualquer fio tem infinitos pontos onde é possível injetar energia elétrica (E.E.) de geradores distribuídos, e podemos ligar mais 2 chuveiros entre cada um destes geradores.

Podemos, assim, teoricamente multiplicar infinitas vezes a energia transmitida por qualquer fio.

Para evitar a sobrecarga da rede na eventualidade de desligamento de um ou mais geradores ou consumidores, e para transportar esta teoria para a realidade das redes de distribuição, basta adicionar controladores com tecnologia Plug&Play nas redes e nos geradores.

Quadro comparativo entre cogeração e termoelétrica.

Consumo de

Combustível (Kw)

Energia Útil(Kw) Energia Elétrica Energia

Térmica

Lixo-MeioAmbiente
Co-geração 100 90 40 50 10
Termoelétrica 100 50 50 0 50

Para a mesma quantidade de combustível (100 kW), o desperdício da cogeração é de apenas 10%, enquanto que a termoelétrica joga fora 50%.

Fonte: http://www.fendel.com.br/gerapor.html

Taiwan cria vidro autolimpante e gerador de energia

Uma equipe de pesquisadores taiuaneses anunciou hoje o desenvolvimento de um vidro para janelas autolimpante, com isolamento térmico e que produz eletricidade.

O professor da Universidade de Ciência e Tecnologia de Taiwan Chin-huai Young iniciou a pesquisa em 2003 e explicou ao jornal Diário Econômico de Taiwan que “o projeto busca proteger o meio ambiente”.

O vidro tem três camadas: um nanômetro de dióxido de titânio que funciona como um limpador ao produzir oxigênio e íon OH que retira substâncias orgânicas, uma camada de silicone que gera eletricidade e uma camada isolante. Um metro quadrado deste tipo de vidro produz “6,8 quilowatts por hora a um custo de US$ 0,30 ao mês”, diz Young.

A camada isolante bloqueia 90% do calor e das radiações, deixando passar apenas 7% da luz visível, enquanto outros vidros isolantes “bloqueiam 63% da luz e dos raios ultravioleta, mas permitem a passagem de raios infravermelhos, levando ao aquecimento”, acrescentou.

Um modelo de casa com este tipo de vidro manteve uma temperatura média de 25ºC em experimentos realizados por Young em Taiwan, quando a temperatura exterior era de 34ºC. O projeto foi financiado pelo Ministério da Educação de Taiwan com US$ 1,5 bilhão.

Fonte: http://noticias.terra.com.br

log_pir_47

.

 Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.

eu_47 Seja amigo do autor do site no Facebook, e esteja sempre antenado em assuntos interessantes como este.

Inventor demonstra gerador que utiliza energia de origem desconhecida

13.02.2008 ]

Aceleração regenerativa. É assim que o inventor canadense Thane Heins chama o mecanismo de funcionamento de um novo tipo de equipamento eletromagnético criado por ele. O invento consiste em um aparato bastante simples, formado por um conjunto de ímãs permanentes e bobinas eletromagnéticas e construído inteiramente com materiais comprados no comércio.

Funcionamento comprovado

Apesar da imediata associação do aparelho com as seculares idéias dos moto-contínuos, a invenção de Heins funcionou perfeitamente quando ele a apresentou para engenheiros do MIT, uma das maiores e mais conceituadas universidades dos Estados Unidos.

Heins afirma que não se trata de um motor, mas de um gerador de energia, que explora alguma forma de força eletromagnética ainda não conhecida pela física. Ele batizou seu invento de Perepiteia, um termo do teatro grego que se refere a uma ação que tem o efeito oposto ao esperado.

Aceleração regenerativa

É isso justamente o que acontece com o gerador que Heins apresentou para a equipe do professor Markus Zahn, do MIT. Quando o gerador é submetido a uma carga – representada por um motor elétrico ligado a ele – ele gera mais energia, fazendo com que o motor acelere.

Heins já apresentou o Perepiteia para outras universidades. Segundo ele, porém, o interesse dos cientistas e engenheiros parece se diluir, ao invés de aumentar, quando eles vêem que o equipamento funciona mas não conseguem dar uma explicação para esse funcionamento.

Motos-contínuos

Ao contrário da Steorn, que não conseguiu demonstrar o funcionamento do seu Orbo, Heins agora já conta com alguns investidores dispostos a provê-lo com os recursos necessários para o aprimoramento de sua invenção. Para isso, ele fundou a Potential Difference Inc., com o objetivo de divulgar e comercializar seu invento.

O que dizem os cientistas

“É um fenômeno incomum que eu não havia previsto. Mas eu vi. É real. Agora eu estou simplesmente tentando entendê-lo,” disse o professor Zahn logo depois de ter assistido à apresentação do Perepiteia e checado seu funcionamento.

Heins não fala e não autoriza falar em moto-contínuo – o que poderia fatalmente levá-lo ao descrédito. Segundo ele, sua expectativa é de comercializar uma nova tecnologia que poderá revolucionar a forma com que são feitos os motores elétricos, permitindo, por exemplo, a construção de carros inteiramente elétricos que recarreguem suas baterias com a energia reaproveitada dos seus freios.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br

Assista os vídeos de Demonstração no YouTube:

Parte 1 e 2: http://br.youtube.com/watch?v=ogLeKTlLy5E&feature=related
Parte 3: http://br.youtube.com/watch?v=1vX8Cxkrpqs&feature=related
Parte 4: http://br.youtube.com/watch?v=jpIdu1lWVW0&feature=related
Parte 5: http://br.youtube.com/watch?v=Q18eSaiKMyc&feature=related
Parte 6: http://br.youtube.com/watch?v=3WrzCRimtHc&feature=related
Parte 7: http://br.youtube.com/watch?v=wie2ZLWHUEk&feature=related

log_pir_47

.

Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.

eu_47 Seja amigo do autor do site no Facebook, e esteja sempre antenado em assuntos interesantes como este.

Um gerador de energia limpa, grátis e livre!

Procurando inicialmente sobre “extra terrestres”, porque vira na TV uma reportagem sobre UFOS na Rússia, lembrei de outra matéria que falava do efeito colateral descoberto quase que por acidente, onde um enrolado de cobre, energizado, produziu uma luz intensa e literalmente flutuou sobre a bancada de um cientista. Sem perceber, lá estava eu já digitando palavras como “plasma” e “anti-gravidade” nos mecanismos de busca.

Não raro varo as noites absorto completamente em leituras caóticas e por alguma razão desconexas e incrivelmente prazeirosas. Desta vez, senti uma vontade enorme de citar algumas das informações nas quais tropecei numa dessas minhas “incursões cibernéticas”. Refiro-me, em especial, ao incrível trabalho do professor John Searl, o qual, não entendo por quê, continua escondido e, nas próprias palavras dele, já deveria ter produzido resultados reais lá pelos idos de 1968.

Ainda para este ano, lá por junho ou julho, o professor e sua equipe pretendem concluir a construção de um gerador SEG (Gerador de Efeito Searl – Searl Effect Generator) de 15kW, capaz de produzir de forma barata e segura, eletricidade sem utilizar combustível algum, sem gerar poluição, fricção ou ruído. Este parágrafo parece ter sido extraído de uma novela de ficção científica não parece? Em tempos de aquecimento global e preocupação com o planeta, estou torcendo que este inventor tenha sucesso!

A Lenda

INGLATERRA – Em 1960, o Professor John Searl estava construindo geradores de eletricidade que não usavam energia alguma (ou quase isso), mas foi posto atrás das grades, acusado de estar roubando eletricidade. Ele alimentava sua casa com energia gerada por seu gerador, não a energia da rua. Além de preso, teve seus projetos recolhidos. Projetos estes que até hoje ainda não foram recuperados após todos esses anos.

O dispositivo é como um motor magnético, exceto que o produto final da rotação não é torque, mas sim eletricidade, a qual é liberada quando rolamentos completam sua rotação. É essencialmente um motor magnético e um alternador em uma única peça. Além disso, se a corrente é sugada do dispositivo em um determinado nível, ele se transforma em um supercondutor, momento em que o aparelho gera um inusitado efeito colateral: distorce os campos gravitacionais, o que faz com que ele “levite”. Isso mesmo! flutue! O inventor passou por tempos difíceis mas não desistiu e dedicou-se a reunir os fundos e os talentos necessários para que pudesse reproduzir o que ele havia desenvolvido lá na década de 60. Com o tempo, ele conseguiu emprego em uma empresa Britânica, onde teve acesso a um laboratório com equipamentos e ferramentas. Utilizando-se deles, ele conseguiu chegar bem perto, várias vezes, mas todas as tentativas renderam infrutíferas e terminaram em frustração.

O Vídeo demonstração postado no Youtube

Há algumas semanas, um amigo e associado de Searl postou dois vídeos no You Tube que demonstram duas variações do gerador que garantem ao inventor o direito de solicitar a patente (viável somente através da prova de conceito, ou seja, prova real de que a invenção funciona). Os protótipos ainda são rudimentares e por enquanto ainda foram construídos de forma a prevenir o efeito anti-gravidade. No primeiro vídeo, um único cilindro foi montado de forma a se mover em torno de um rolamento estacionário. Ele acelera enquanto contorna o perímetro de um anel até estabilizar a rotação em torno de 100 rpm.

Youtube vídeo 1: http://www.youtube.com/watch?v=TM_s0dXRk48
Youtube vídeo 2: http://www.youtube.com/watch?v=yID01RjBzDE

O dispositivo de demonstração que aparece nos vídeos ainda não produz energia, ele foi montado apenas para prova de conceito e estudos, ou seja, ainda estamos na fase da “teoria”, mas os cientistas estão otimistas que conseguirão em breve resultados reais.

O vídeo foi produzido em 05/fev/2007, mas a equipe tem trabalhado nele há algum tempo, discutindo o que eles queriam fazer com o material. Decidiram torná-lo público, acreditando que a exposição irá protegê-los de serem esmagados novamente. Vários documentários de TV, incluíndo uma produção em Hollywood já estão sendo produzidos.

O Gerador SEG

Os dispositivos de testes foram construídos por um engenheiro da Califórnia chamado Fernando Morris, que foi exposto a tecnologia por 20 anos, tendo investido sete anos trabalhando indiretamente com John Thomas, associado de Searl, e agora, nos últimos três anos, diretamente com Searl, quando outras pessoas aderiram a idéia, colaborando com investimentos para o projeto até este ponto. Ainda serão necessários fundos da ordem de 500 mil Libras para completar a construção de um gerador “full SEG”, o que pode ocorrer ainda em junho ou julho deste ano. Searl espera que a primeira unidade produzida custará algo em torno de 14 milhões de libras, mas que as próximas linhas terão o custo cada vez menor. As primeiras unidades comerciais projetadas para ter uma potência de 15 kilowatts – mais do que o necessário para alimentar uma residência – têm um custo previsto por volta de 16 mil Libras, algo como 32 mil dólares americanos. Este preço será dez vezes menor, quando as unidades forem produzidas em massa. “É uma coisa muito excitante”, disse Searl. “1968 foi a última vez que eu vi magnetos rodando sobre um anel”. Ele está confiante que “desta vez chegaremos lá”. E completou: “Isto deveria ter acontecido em 1968”.

Fonte: http://www.gramadosite.com.br/cultura/artigos/id:11971

Veja também:

http://gramadosite.com/cultura/artigos/id:12021/search:target=_blank

http://en.wikipedia.org/wiki/Searl_Effect_Generator (descrição do dispositivo, em inglês)

log_pir_47

.

Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.

eu_47 Seja amigo do autor do site no Facebook, e esteja sempre antenado em assuntos interesantes como este.

Além do enigma faraônica, energia piramidal

As pirâmides (do grego piro: “fogo”, e amid: “estar no centro”) são corpos geométricos venerados desde culturas antigas.

Os egípcios viram nestas construções uma manifestação de seu poder, da estabilidade de sua civilização. Desde a antigüidade se fala da fascinação por estas construções cuja compreensão e função na cultura que a criou, a faraônica, aumentou nos últimos anos e de forma inevitável seguem sendo objeto de muitas e variadas especulações.

Mas não se destacam só como monumentos nas civilizações egípcias e maias.

Diversas pessoas puderam constatar que dentro das pirâmides, fechadas ou abertas, ocorrem fenômenos curiosos: pilhas descarregadas se recarregam, a água fica mais pura, os alimentos duram muito mais, as sementes germinam antes, as dores diminuem, as crianças se tranqüilizam, a meditação é mais profunda, aumenta o raciocínio, o impulso sexual é mais forte, os processos naturais de cura se aceleram.

Outros observaram vantagens nos estudos, nos esportes, na restauração do fio de navalhas, na afinação de instrumentos musicais, o abandono de vícios, na comunicação, nas artes…

Estudiosos de piramidologia explicam que dentro delas geram uma concentração e circulação de energia que começa em cada um dos cinco vértices e convergem na área central. Nesta área as moléculas absorvem as vibrações por meio de ressonância e, ao aumentar a energia, começa a expandir-se. Assim, aumenta a circulação até saturar a pirâmide, para logo sair até a atmosfera ao redor.

As pirâmides devem localizar-se em lugares aonde penetre a luz solar e distanciar-se de correntes elétricas, rádios, televisores, equipamentos de música, antenas, etc. Estes impedem o livre fluxo de energia para os objetos, pessoas e outros seres vivos que se acham próximos, além de emanar íones positivos, isto é, energia negativa.

Os materiais mais adequados para sua construção são o cristal, o bronze, o alumínio, entre outros. As de tamanho grande podem ser feitas com papel ou cartolina. Só devem ajustar-se às medidas na escala com relação a grande pirâmide de Keops. Seu tamanho será variável de acordo com a necessidade. A orientação norte-sul é a correta, visto que esta linha magnética leva a energia que, ao passar pelo centro da pirâmide, começa a gerar um campo de força que é a que atua sobre o elemento ou problema a ser tratado.

A zona de máxima energia se situa no centro da pirâmide (seu terço inferior), que se denomina Câmara do Rei.

A ENERGIA PIRAMIDAL EM CUBA

Desde a década de 80 o país começou a mostrar interesse por esta novidade científica, assim o vocábulo “Energia Piramidal” resultou num termo cada vez mais familiar para os cubanos relacionado com o mundo da energia e especificamente da Bionergia. O doutor Ulises Sosa Salinas começou a alguns anos a aplicação da energia piramidal com fins terapêuticos.

Algumas pessoas associavam o procedimento a práticas de controle mental. Nada mais longe da verdade. Ele, com um trabalho paciente de pesquisas bibliográficas, de experiências internacionais e próprias, se encarregou de aclarar as incógnitas.

Uma demonstração em Holguín lançou por terra toda dúvida. Em meados de 1998, durante uma Jornada Nacional de Ortopedia, teve a oportunidade de garantir os efeitos curativos da técnica.

Fazia meses que a doutora Pura Avilés, professora com grande experiência em anestesia e companheira dele e do eminente ortopédico Rodrigo Álvarez Cambras, sofria de dor e inflamação no tubérculo de Lisfranc de sua mão direita que a impedia de realizar seus trabalhos habituais.

O doutor Álvarez Cambras ao tomar-lhe mão e comprimir a zona afetada percebeu nela sinais de dor. O doutor Sosa colocou uma pirâmide de alumínio de 29 centímetros de base e lados iguais corretamente orientada ao eixo norte-sul magnético da Terra.

A doutora-paciente após cinco minutos informou sentir um comichão (parestesia), aos 10 minutos percebeu perda da sensibilidade (hipotesia) e de levitação e depois de transcorridos cinco minutos a pirâmide foi retirada, com a seguinte conclusão: ao investigar novamente, Álvarez Cambras comprovou a ausência de dor e inflamação.

O doutor Ulises Salinas elaborou um livro: Energia Piramidal Terapêutica Mito ou realidade? onde explica sua aplicação na esfera da saúde, que esta baseado no restabelecimento do balanço energético da pessoa enferma mediante a ministração da energia vital conforme sua necessidade, a partir da energia magnética concentrada no centro da pirâmide.

Atualmente, serviços importantes de Medicina em Cuba aplicam esta energia piramidal: a pratica deste tratamento alternativo iniciada no Centro Policlínico, da cidade de Camagüey, é levada agora para a Clínica de Medicina Natural e Tradicional do Instituto Superior de Ciências Médicas Carlos J. Finlay, assegura excelentes resultados em processos de dores e inflamações do sistema osteo-miorticular (SOMA), afecções como o “dedo de resorte, a Síndrome de Túnel Carpiano e a enfermidade de Querrain”.

Garante sua aplicação a enfermidades de outros sistemas como a asma, a hipertensão, e em “infecciones dolorosas e inflamatórias” não relacionadas com o SOMA, com ação analgésicas, antinflamatórias, bacteriostáticas, relaxantes e sedativos. A ansiedade e a depressão, escabiose, herpes simples, úlceras duodenales, pépticas e varicoese, esgotamento extremo, ciatalgia, enxaqueca, dores articulares, cervicais, cefaleas, síndrome do túnel carpiano, psoriases, bursites, conjuntivites, hérnia hiatal, hipertensão, dermatites, artroses, gastrites, sacrolumbalgia, artrites.

O doutor Meneleo Montenegro Díaz e as doutoras Lázara Perdomo e Ismar Hernández, conseguiram um produto denominado creme piramidal, que se conseguiu obter da energia piramidal em uma substância gordurosa. Após aplicá-lo em casos de alopedia ariata, obtiveram resultados positivos no tratamento.

Desde 96 a energia piramidal foi introduzida nas quadros clínicas estomatológicas de Matanzas. A água piramidal demonstrou seus poderes antisépticos, antiinflamatórios e cicatrizantes. Investigações realizadas pela doutora María A Ruiz, de Cárdenas, deram voto favorável contra patologias como gengivites, exposição pulpar hiperestesia.

Os estomatólogos matanceros comprovaram além disso a efetividade da energia piramidal na conservação do fio das brocas do reator, enquanto a doutora María Isabel Mestre, da Cidade de Habana, obteu boas notícias neste campo de exploração com a cooperação do Instituto de Investigações de Materiais (este trablho foi apresentado no IV Oficina da Energia Piramidal no ano de 1998).

Em Sancti Spíritus tiveram experiências em pacientes com desordens psicológicas, a diminuição e inclusive erradicação das crises epiléticas em crianças.

O especialista de Segundo Grau em Ortopedia e Traumatologia, Master em Medicina Natural e Tradicional, presidente da filial Provincial de Ortopedia do Conselho de Sociedades Cientificas em Camagüei e professor de ISCM falou finalmente: “A terapêutica piramidal veio como anel ao dedo, oferece não só um tratamento alternativo, mas francamente eleito em consultas diárias de especialistas e médicos de família, para doenças freqüentes”.

TRABALHOS APRESENTADOS

Desde o VI Fórum de Peças de Reposição até o XII Fórum de Ciência e Técnica, a Energia Piramidal foi citada em trabalhos apresentados por membros do Comitê Gestor da sociedade cubana de Energia Piramidal.

A realização de quatro Oficinas Nacionais convocadas pelo Comitê Gestor permitiu na apresentação e divulgação de interessantes possibilidades de aplicação prática dessa nova energia absolutamente renovável, questão abordada no Simpósio Nacional de Fontes Renováveis de Energia (CIES’99) comemorado em Novembro de 1999, em Santiago de Cuba.

No ano de 1992 gerou a formação do Comitê Gestor da sociedade Cubana de Energia Piramidal.

No VII Fórum de Peças de Reposição no ano de 1992, em Matanzas, foi apresentado o primeiro dispositivo Piramidal, constituído pelo Afiador Piramidal, destinado a conservação do fio de giletes. Este dispositivo foi construído de forma industrial e possui autorização para venda pela Direção de preços da cidade de Cárdenas.

De fato Cárdenas possui a primicia de ser a primeira do pais a introduzir e consumir oficialmente um dispositivo Piramidal.

Em 1995, se realizou na cidade de Cádenas, um evento científico-técnico sobre o estudo e aplicação prática da energia piramidal. Naquela oportunidade foram apresentados trabalhos relacionados com a saúde humana: um sobre a aplicação desta terapia em um consultório médico industrial (exposto pelos engenheiros Meneleo Montenegro e Noel Hernández), enquanto o segundo, do doutor Guillermo J. Vázquez, concentrava o uso de tal energia em traumatismos desportivos.

O doutor Vázquez se apoiou nos resultados obtidos na rehabilitação de pacientes da policlínica “Antonio Guiteras”, do município Habana Vieja, junto com o doutor Dionisio Brook e Arnoldo Cobo. Os benefícios desta energia chegam aos pacientes quando estes colocam dentro de uma estrutura piramidal – totalmente ou exclusivamente – a região anatômica afetada.

Em 1998, na Oficina Nacional de Energia Piramidal, o dpoutor Ulises Sosa, de Camagüey, mostrou seus resultados positivos da aplicação da energia piramidal na especialidade de ortopedia, em conjunto com o eletromagnetismo. Nesta ocasião também foi apresentado o trabalho de investigação da doutora María Isabel Mestre.

APLICAÇÃO NA AGRICULTURA

Documentos encontrados na INTERNET, sobre as aplicações práticas da energia piramidal em Cuba, demonstra que esta nova energia não só tem sido aplicada na área da saúde como foi introduzido na agricultura.

A água energizada se utiliza para regar as plantações agrícolas.

Mediante o trabalho do Comitê Gestor da sociedade Cubana de Energia Piramidal, foi introduzido a Tecnologia Agrícola Piramidal em um orgânoponico da cidade de Cárdenas.

A aplicação desta tecnologia implica além do emprego de água piramidal para a rega, o tratamento de sementes com energia piramidal. Os resultados obtidos vão desde o aumento em mais de 20% do poder germinativo das sementes, até igual porcentagem de aumentos dos rendimentos, e a obtenção de produtos fora de época, como por exemplo cebolas em agosto.

Um desafio se lança sobre nosso conhecimento que inclui o enigma faraônico de cinco mil anos, mas desta vez não se busca preservar a morte de um nobre rei, mas preservar a saúde do mais comum dos mortais de nossa ilha.

log_pir_47

.

Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.

eu_47 Seja amigo do autor do site no Facebook, e esteja sempre antenado em assuntos interessantes como este.